terça-feira, 3 de maio de 2016

[Resenha] Doce Perdão

Escritora: Lori Nelson Spielman
Editora: Verus
Páginas: 322

Sinopse: "Hannah Farr é uma personalidade de New Orleans. Apresentadora de TV, seu programa diário é adorado por milhares de fãs, e há dois anos ela namora o prefeito da cidade, Michael Payne. Mas sua vida, que parece tão certa, está prestes a ser abalada por duas pequenas pedras... As Pedras do Perdão viraram mania no país inteiro. O conceito é simples: envie duas pedras para alguém que você ofendeu ou maltratou. Se a pessoa lhe devolver uma delas, significa que você foi perdoado. Inofensivas no início, as Pedras do Perdão vão forçar Hannah a mergulhar de volta ao passado - o mesmo que ela cuidadosamente enterrou -, e todas as certezas de sua vida virão abaixo. Agora ela vai precisar ser forte para consertar os erros que cometeu, ou arriscar perder qualquer vislumbre de uma vida autêntica para sempre."
"Será que um pedido de desculpas pode curar velhas feridas, ou é melhor continuar guardando alguns segredos?" (pág. 07)
Se você tivesse oportunidade de pedir perdão, para quantas pessoas você pediria?

Em Doce Perdão conhecemos Hannah Farr - ela tem um próprio programa de TV chamado The Hannah Farr Show. É adorada por milhares de pessoas e tem um namorado, que no seu ponto de vista, é perfeito. Michael é o prefeito da cidade e eles já namoram há dois anos e ainda não há planos de casório - o que deixa Hannah sempre aflita. Mesmo tendo conquistado quase tudo, sua vida vai mudar após a aparição das Pedras do Perdão.

As Pedras do Perdão foram criadas por Fiona Knowles. O intuito dessas pedras é enviar para as pessoas que você um dia causou algum dano e, se recebe-las de volta, significa que você foi perdoada. No passado Fiona causou certo sofrimento em Hannah, então decidiu envia-la para ser perdoada. E é onde Hannah sente-se pressionada em ter que enfrentar novamente o passado que sempre temeu. O passado que ela sempre temeu não é só com Fiona, mas, principalmente, com a sua mãe.
"Nunca faça de alguém prioridade quando você não passa de uma opção para essa pessoa." (pág. 24)
"Algumas pessoas escondem sua vergonha como uma cicatriz, apavoradas com a ideia de que os outros ficarão horrorizados se ela for exposta." (pág. 132)
Hannah e sua mãe não se falam há 20 anos. Os seus pais se separaram quando ela tinha 13 anos. O motivo da separação? Sua mãe conheceu Bob quando se mudaram por um período para Michigan. Devido aos acontecimentos, Hannah sentiu-se perdida entre os dois e sua mãe escolheu ficar com Bob ao invés de ficar com ela. Mas será que isso mesmo aconteceu ou foi o que Hannah decidiu acreditar? Agora Hannah vai ser obrigada a enfrentar seu passado para poder viver o futuro em paz.
"Um pedido de desculpas não apaga nossos erros. É mais como passar uma borracha sobre eles. Sempre sabemos que o erro está ali, logo embaixo daquela aspereza no papel. E, se olharmos direito, ainda o vemos. Mas, com o tempo, nossos olhos começam a ignorar o erro, e só enxergamos o texto novo, mais claro desta vez, e escrito com mais reflexão." (pág. 150)
"Mantemos segredos por duas razões: para proteger a nós mesmos ou para proteger outras pessoas." (pág. 211)
Sabe aquele livro que te faz sentir várias emoções a cada página? Então, Doce Perdão é assim. Em muitos momentos eu ri, pois Hannah é uma personagem engraçada, mas ao mesmo tempo, inocente. Muitas vezes senti vontade de bater para que ela "acordasse para a realidade". E em alguns momentos senti algumas lágrimas aparecendo e aquele apertinho no coração por algumas revelações.

O que mais me cativou na escrita de Lori foi como ela não esqueceu de nenhum personagem, nem dos secundários. Ela descrevia cada acontecimento com tanta naturalidade que ficava fácil você se sentir como se estivesse vivendo no meio deles. Foi o primeiro livro que li dela e já posso dizer que ela ganhou infinitamente meu coração!
"Causamos muito mal quando tentamos esconder nossa dor. Porque, de uma forma ou de outra, ela sempre vaza." (pág. 270)
"Com o tempo, acabarei aceitando que não somos tão diferentes um do outro. Somos, ambos, seres humanos com defeitos, cheios de medos e desesperados por amor, pessoas tolas que escolheram o conforto de certeza." (pág.298)
O livro, como vocês podem perceber pelo título, fala sobre perdão. Mas não apenas perdoar as pessoas, mas em perdoar você mesmo. E que talvez, para perdoar, não é sempre necessário esquecer. 

Avaliação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ 

Um comentário:

  1. Olá , eu sou louca pra ler esse livro e com a sua resenha, fiquei ainda mais...Adorei seu blog, e já estou seguindo...

    https://violetaliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir