domingo, 16 de agosto de 2015

[Resenha] Uma Curva no Tempo

Escritora: Dani Atkins
Editora: Arqueiro
Páginas: 240
Sinopse: "A noite do acidente mudou tudo... Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel está desmoronando. Ela mora sozinha em Londres, num apartamento minúsculo, tem um emprego sem nenhuma perspectiva e vive culpada pela morte de seu melhor amigo.
A noite do acidente foi uma grande sorte... Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel é perfeita. Ela tem um noivo maravilhoso, pai e amigos adoráveis e a carreira com que sempre sonhou. 
Mas por que será que ela não consegue afastar as lembranças de uma vida muito diferente? 
"- Sou tão fácil assim de interpretar?
- Como um livro, mas um livro bom." (pág. 12) 
A história começa na época do ensino médio quando Rachel, Sarah, Matt, Cathy e Jimmy (e mais 4 amigos que não são tão detalhados) estão indo para um restaurante para a despedida antes da faculdade, pois serão 4 longos anos longe de todos.

Rachel namora Matt à dois anos e Jimmy é seu melhor amigo. Sua mãe era melhor amiga da mãe dele e eles acabaram, desde criança, sendo amigos e vizinhos.

Quando já estão no restaurante, Rachel sentada próximo a janela, está perdida em pensamentos - sobre como será na faculdade, como ficar longe de seus amigos, principalmente de Jimmy, se seu relacionamento irá sobreviver à distância ou não. É nesse momento que Jimmy desperta Rachel e diz que precisa falar com ela no dia seguinte e que é algo muito importante. Nesse mesmo instante, Matt volta sua atenção para Rachel e percebe algo errado: um carro desgovernado começa a acelerar próximo do restaurante e está próximo demais. É onde a história começa.
"Talvez sua vida real fosse, ou melhor, seja sua realidade perfeita. Você já a estava vivendo. Então fabricou algo que era o oposto." (pág. 134)
Matt começa desesperadamente gritar para todos afastarem-se da janela e isso desperta o interesse de todos do restaurante. Todos começam imediatamente afastar-se, mas Rachel, fica presa entre as cadeiras e não consegue associar o perigo que está próximo. É quando Jimmy sai do seu "lugar seguro" e vai direto ao local salvar Rachel. Quando já está com Rachel em seus braços e correndo, infelizmente, é nesse instante, que o carro entra no restaurante.

Cinco anos depois... Rachel tem uma cicatriz em forma de raio que pega da testa até a boca. Sente-se culpada pela morte de seu melhor amigo. Segue uma vida em Londres, morando em cima de uma lavanderia, trabalhando como recepcionista. Com os acontecimentos, o relacionamento não deu certo. Seu pai, Tony, depois do ocorrido, começou a fumar e está com câncer. E ela está tomando altas doses de medicações por conta das dores insuportáveis na cabeça.

Rachel não sente-se bem em voltar para o local onde os últimos momentos felizes da sua vida desapareceram, mas é o casamento de sua melhor amiga, Rachel, e ela jamais perderia esse momento.
"Ninguém nunca lhe disse que, quando se cria um mundo de fantasia, ele deve ser melhor que o mundo real... e não mil vezes pior?" (pág. 166)
Quando volta para sua cidade natal e participa da "despedida de solteiro" de sua melhor amiga - onde encontram-se todos os seus antigos amigos, incluindo Matt - ela começa sentir-se mal devido sua dor de cabeça e vai de volta para o hotel. Mas como ainda sente-se culpada por Jimmy, decide ir até o cemitério. A dor de cabeça aumenta e simplesmente escurece tudo.

Aí começa narrar uma "vida feliz" de Rachel. Onde ela não tinha cicatriz, onde Jimmy estava vivo, ela e Matt estavam noivos, seu pai não tinha mais câncer e sua amiga Rachel já estava casada. Ela morava em um lindo apartamento em Londres e era jornalista - como sempre sonhou.

Ela foi diagnosticada com amnésia. Um tipo de amnésia rara, pois ela não lembrava de nada dos últimos cinco anos - na verdade, ela lembrada de forma dramática sua vida e não feliz. Demora-se um tempo para que ela aceite a justificativa dada pelo médico e começa a viver sua vida feliz antes que a amnésia desapareça e ela volte para aquela vida triste.
"A mim, pessoalmente, o seu passado interessa menos do que o seu futuro." (pág. 213)
Mas é no último capítulo - capítulo 13 - que relata o que realmente aconteceu com Rachel. Não foi nenhum tipo de amnésia, longe disso! Todos os acontecimentos, desde a morte de Jimmy, foram reais, porém, durante dois meses, Rachel "vivenciou" uma vida feliz, uma vida que sempre sonhou. 

O que aconteceu com Rachel? Eu adoraria dizer, mas... Vale a pena a leitura. Só posso dizer que o final é triste, porém, inesperado. 

Eu me senti completamente envolvida na história e o livro me mostrou que independente de como a sua vida esteja, simplesmente viva. Faça o seu melhor, supere os obstáculos que a vida lhe proporciona. Não fantasie com o "e se...".
"Olhei dentro de seus olhos e encontrei ali tudo o que vinha procurando e uma manifestação de amor tão patente que arrancou o que me restava de ar. Então sua boca encontrou a minha, e me apaixonei ainda mais pelo homem a quem sempre havia sido destinada." (pág. 220)
Avaliação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

0 comentários:

Postar um comentário